terça-feira, 10 de julho de 2012

NA AREIA


NA AREIA
(Lena Ferreira)

Há sussurros que ouço à distância
e me falam desse amor sofrido
que nasceu num peito compungido
por não ter, da presença, constância

E não sente, da pele, a fragrância
e não ouve, da boca, o gemido
declarando um amar condoído
mas suporta com fé e tolerância

De que logo o encontro se faça
superando a distância que o mar
esses olhos, saudosos, embaçam

Logo, logo, irão se encontrar
beberão do amor na mesma taça
na areia, entre juras de amar

2 comentários:

  1. A espera do amor, de amar, do mar... lindo!

    ResponderExcluir
  2. Feliz aqui com sua visita, Helen. Obrigada pelo comentário carinhoso! Beijos.

    ResponderExcluir